capadatorre

Confira a resenha do livro “A Torre” publicada pelo Blog Historiar

RESENHA PREMIADA: A TORRE – LECA HAINE

capadatorreLeca Haine escreveu um livro sensacional! A Torre nos mostra, entre muitas outras coisas, que todos nós erramos, e que um erro será sempre único, nós não podemos comparar o nosso erro com o erro do outro. Um erro sempre nos trará consequências. Mas, cabe a nós decidirmos nos redimir de nossos erros e procurar um caminho com luz. Bia e Tião começaram a aprender muito um com o outro, e isso os motivou a procurar pela redenção que tanto precisavam. É emocionante ver o quanto eles se esforçaram para deixar o passado para trás e seguir em frente, bem como é extremamente emocionante ver o quanto eles se ajudaram nesse processo.

Leia a resenha completa no blog da Thamiris Dondóssola:

http://thamirisdondossola.blogspot.com.br/2017/01/resenha-premiada-torre-leca-haine.html

A Torre é um livro surpreendente! Temos dois protagonistas inusitados e uma história inteira extremamente bem formulada cercada inteiramente na vida de ambos.
Este livro carrega, em seu enredo, algo que para mim foi totalmente novo. Vejamos: Eusébia, a protagonista, é uma mulher velha, raivosa e muito má. Entre suas distrações diárias está o ato de insultar as pessoas pobres. A primeira impressão que a personagem passa é das piores. Mas a verdade é que ela não se encontra em uma boa situação, mesmo que não admita, todos sabem disso. E Sebastião, o protagonista, é um sujeito simples, trabalhador e muito triste, ou seja, é oposto de Eusébia.
Eusébia mora num edifício chamado Costa Atlântica, que no passado, era sinônimo de poder e riqueza, mas atualmente, segundo Eusébia, se transformou num “pardieiro encardido”. E Sebastião é o zelador deste mesmo prédio. As vidas dessas duas pessoas tão diferentes acabam se cruzando, pois Eusébia sofre de insônia e desce de seu apartamento todas as madrugadas até a portaria, onde Tião passa suas noites, também num pesado estado de insônia. Eles sempre acabam conversando, mas a conversa nunca é agradável, pois Eusébia chama a atenção do zelador apenas para humilhá-lo e fazer reclamações acerca do edifício. E Tião prefere não rebater, pois se considera apenas um empregado, então deve respeito aos moradores.
No entanto, aos poucos, a relação entre os dois vai se tornando menos grosseira e mais respeitosa. E juntos, com os passados de ambos vindo à tona, eles acabam descobrindo que possuem muito em comum, muito mais do que imaginavam.
O foco do livro é algo novo para mim. Nunca me deparei com um livro atual onde os personagens são tão singulares, em uma história tão singular. É por essa razão que coloquei A Torre como algo novo. Além disso, a obra é surpreendente! Nós temos o desenvolvimento do relacionamento de Eusébia e Tião, e simultaneamente, há um suspense acerca de uma possível reforma que o edifício em que moram receberá. Quanto a isso, posso dizer que me senti muito curiosa, e quando finalmente descobri do que se tratava, sorri de satisfação com tamanha inteligência por parte da autora. Imagine A Torre como uma partida perfeita de dominó. É a melhor comparação que consegui fazer.
A grande verdade por trás do comportamento rude da personagem Eusébia, a meu ver, é que ela, que vivia solitária naquele apartamento, encontrou em Tião uma forma de espantar a solidão na qual estava imersa. Aos poucos, os personagens começaram a se aproximar e acabaram encontrando conforto na presença um do outro. Meu coração ficou bastante apertado quando eu notei que o envolvimento deles estava se tornando em algo bastante puro: a amizade, apesar do passado sujo que ambos tiveram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *