a torre - leca haine

Resenha do Blog Historiar sobre o meu livro “A Torre”

a torre - leca hainePrecisa dizer que fiquei muito feliz?

Leca Haine também escreveu Lua Azul e a Terra Paralela. Ela é autora parceira do blog Historiar, e você pode encontrar maiores informações sobre ela clicando aqui. Eu vou deixar aqui um recadinho para a Leca: Você é incrível! Descobri, depois de ler duas obras suas, que para mim, és uma das melhores autoras nacionais da atualidade”.

Fiquei muito feliz com esse recado da Thamiris Dondóssola, do Blog historiar, que fez uma resenha muito bacana sobre o meu livro “A Torre”.

Além do meu livro, Thamiris tem um cuidado todo especial ao publicar diversas outras resenhas de livros adoráveis , de todos os gêneros, que você pode acessar pelo link abaixo:
http://thamirisdondossola.blogspot.com.br/

Resenha:

A Torre é um livro surpreendente! Temos dois protagonistas inusitados e uma história inteira extremamente bem formulada cercada inteiramente na vida de ambos.
Este livro carrega, em seu enredo, algo que para mim foi totalmente novo. Vejamos: Eusébia, a protagonista, é uma mulher velha, raivosa e muito má. Entre suas distrações diárias está o ato de insultar as pessoas pobres. A primeira impressão que a personagem passa é das piores. Mas a verdade é que ela não se encontra em uma boa situação, mesmo que não admita, todos sabem disso. E Sebastião, o protagonista, é um sujeito simples, trabalhador e muito triste, ou seja, é oposto de Eusébia.
Eusébia mora num edifício chamado Costa Atlântica, que no passado, era sinônimo de poder e riqueza, mas atualmente, segundo Eusébia, se transformou num “pardieiro encardido”. E Sebastião é o zelador deste mesmo prédio. As vidas dessas duas pessoas tão diferentes acabam se cruzando, pois Eusébia sofre de insônia e desce de seu apartamento todas as madrugadas até a portaria, onde Tião passa suas noites, também num pesado estado de insônia. Eles sempre acabam conversando, mas a conversa nunca é agradável, pois Eusébia chama a atenção do zelador apenas para humilhá-lo e fazer reclamações acerca do edifício. E Tião prefere não rebater, pois se considera apenas um empregado, então deve respeito aos moradores.
No entanto, aos poucos, a relação entre os dois vai se tornando menos grosseira e mais respeitosa. E juntos, com os passados de ambos vindo à tona, eles acabam descobrindo que possuem muito em comum, muito mais do que imaginavam.
O foco do livro é algo novo para mim. Nunca me deparei com um livro atual onde os personagens são tão singulares, em uma história tão singular. É por essa razão que coloquei A Torre como algo novo. Além disso, a obra é surpreendente! Nós temos o desenvolvimento do relacionamento de Eusébia e Tião, e simultaneamente, há um suspense acerca de uma possível reforma que o edifício em que moram receberá. Quanto a isso, posso dizer que me senti muito curiosa, e quando finalmente descobri do que se tratava, sorri de satisfação com tamanha inteligência por parte da autora. Imagine A Torre como uma partida perfeita de dominó. É a melhor comparação que consegui fazer.
A grande verdade por trás do comportamento rude da personagem Eusébia, a meu ver, é que ela, que vivia solitária naquele apartamento, encontrou em Tião uma forma de espantar a solidão na qual estava imersa. Aos poucos, os personagens começaram a se aproximar e acabaram encontrando conforto na presença um do outro. Meu coração ficou bastante apertado quando eu notei que o envolvimento deles estava se tornando em algo bastante puro: a amizade, apesar do passado sujo que ambos tiveram.

“Isso ele teria que ver e checar porque agora não conseguiria mais olhar para as lojas, as placas, as revistas e tudo o mais que contivesse palavras sem tentar descobrir o que estava escrito.” (HAINE, 2015, p. 156-157)

Leca Haine escreveu um livro sensacional! A Torre nos mostra, entre muitas outras coisas, que todos nós erramos, e que um erro será sempre único, nós não podemos comparar o nosso erro com o erro do outro. Um erro sempre nos trará consequências. Mas, cabe a nós decidirmos nos redimir de nossos erros e procurar um caminho com luz. Bia e Tião começaram a aprender muito um com o outro, e isso os motivou a procurar pela redenção que tanto precisavam. É emocionante ver o quanto eles se esforçaram para deixar o passado para trás e seguir em frente, bem como é extremamente emocionante ver o quanto eles se ajudaram nesse processo.

” – Ah, você vem com essas asneiras de beija-mão. Arcebispo, bispo, padre, pastor… É tudo igual. São homens da Terra. Cheios de pecado como qualquer um de nós.” (HAINE, 2015, p. 84)

Mesmo que eu tenha classificado A Torre como algo novo para mim por conta dos protagonistas, eu afirmo: este livro é um livro para todos, digo isso com convicção. Afinal, a batalha dos personagens é uma batalha pela qual todos nós passamos. E aqui, encontramos a oportunidade perfeita para refletir sobre a vida e o quanto ela é frágil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *